SOFTWARE DE SIMULAÇÃO DO COEFICIENTE DE CULTURA

April 29, 2016 | Author: Sarah Espírito Santo Wagner | Category: N/A
Share Embed Donate


Short Description

Download SOFTWARE DE SIMULAÇÃO DO COEFICIENTE DE CULTURA...

Description

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS AMBIENTAIS E TECNOLÓGICAS CURSO DE AGRONOMIA

ANDRE HERMAN FREIRE BEZERRA

SOFTWARE DE SIMULAÇÃO DO COEFICIENTE DE CULTURA

MOSSORÓ – RN 2009

ANDRE HERMAN FREIRE BEZERRA

SOFTWARE DE SIMULAÇÃO DO COEFICIENTE DE CULTURA

Monografia apresentada à Universidade Federal Rural do Semi-Árido – UFERSA, Departamento de Ciências Ambientais e Tecnológicas para a obtenção do título de Engenheiro Agrônomo. Orientador: Prof. D. Sc. Sérgio Luiz Aguilar Levien – UFERSA

MOSSORÓ – RN 2009

Ficha catalográfica preparada pelo setor de classificação e catalogação da Biblioteca “Orlando Teixeira” da UFERSA B574s Bezerra, André Herman Freire. Software de simulação do coeficiente de cultura. / André Herman Freire Bezerra. -- Mossoró: 2009. 59f.: il. Monografia (Graduação em Agronomia) – Universidade Federal Rural do Semi-Árido. Pró-Reitoria de Ensino e Graduação. Orientador: Prof. D. Sc. Sérgio Luiz Aguilar Levien 1.Evapotranspiração de referência. 2. Evapotranspiração da cultura. 3.Manejo da irrigação. I.Título. CDD:627.52 Bibliotecária: Marilene Santos de Araújo CRB-5/1033

ANDRE HERMAN FREIRE BEZERRA

SOFTWARE DE SIMULAÇÃO DO COEFICIENTE DE CULTURA

Monografia apresentada à Universidade Federal Rural do Semi-Árido – UFERSA, Departamento de Ciências Ambientais e Tecnológicas para a obtenção do título de Engenheiro Agrônomo.

APROVADA EM: 03/12/2009

BANCA EXAMINADORA _________________________________ Prof. D. Sc. Sérgio Luiz Aguilar Levien – UFERSA Presidente _________________________________ Prof. D. Sc. Vladimir Batista Figueirêdo – UFERSA Primeiro Membro _________________________________ Prof. D. Sc. José Espínola Sobrinho – UFERSA Segundo Membro

AGRADECIMENTOS

Ao meu filho, Lucas, por ser a principal motivação de meus anseios de vida. À minha família, pelo apoio dado em todos os momentos difíceis. À minha turma, pela amizade, companheirismo e apoio durante a jornada. Aos meus professores, por terem se esforçado em transmitir seus conhecimentos, Ao meu orientador, Sérgio, por ter me ensinado não somente o necessário na vida profissional e acadêmica, mas também o essencial para o crescimento pessoal e de caráter.

RESUMO

A agricultura irrigada da Região Nordeste do Brasil necessita utilizar estratégias de uso e de manejo racional da água de irrigação, não só para baixar os custos de produção, mas também para preservar este bem escasso no semi-árido. As necessidades hídricas das culturas são bastante variáveis e dependem, principalmente, das condições climáticas. A necessidade de água das culturas se expressa normalmente pela taxa de evapotranspiração e que depende das condições meteorológicas, da disponibilidade hídrica no solo, do estado sanitário e nutricional da cultura, dentre outros fatores. Dessa forma, foi desenvolvida uma ferramenta computacional de estimativa da evapotranspiração da cultura (ETc), o SEEVA – Software de Estimativa da Evapotranspiração, com o objetivo de auxiliar o irrigante na obtenção da lâmina de irrigação. O SEEVA pode estimar a evapotranspiração de referência (ETo) através de cinco métodos: FAO Penman-Monteith, Hargreaves-Samani, Jensen & Haise, Linacre e Priestley & Taylor. Junto com o cálculo dos coeficientes de cultivo (Kc) single e dual, oferece a ETc diária para o irrigante. O modelo aplicado no software foi validado comparando seus resultados com os resultados da planilha apresentada em FAO56, com dados de Kc estimados por lisímetro com coeficiente de determinação de 0,9993 e 0,7492, respectivamente e comparado com valores de Kc obtidos por balanço hídrico, superestimando o Kc final em 22% e subestimando o Kc inicial e o Kc médio em 26% e 3% respectivamente. O software pode estimar com boa precisão o coeficiente de cultura. Palavras-chave: Evapotranspiração de referência. Evapotranspiração da cultura. Manejo da irrigação.

ABSTRACT

The Brazilian’s Northeast irrigated agricultural need to use strategies of rational water management, not only to get low the production’s cost, but to preserve this resource in the semi-arid region. The crop water requirement is quite variable and it depends, mainly, on weather conditions. The crop hidrical needs is expressed by evapotranspiration rates that depends on meteorological conditions, soil water availability, crop health and nutritional state, among others. This way, an estimate crop evapotranspiration (ETc) computational tool has been developed, named SEEVA, to help farmers to obtain a proper water depth. SEEVA can estimate the reference evapotranspiration (ETo) by five methods: FAO Penman-Monteith, Hargreaves-Samani, Jensen & Haise, Linacre e Priestley & Taylor. This, plus to the dual and single crop coefficient (Kc), can offer daily ETc to the user. The model was validated by comparing the FAO56 spreadsheet and the software and the lisimeter estimated Kc and the software. The determination coefficient was 0,9993 and 0,7492 respectively. A water balance validation also has been done resulting in values 22% higher in Kc initial and 26% and 3% lower in Kc medium and Kc ending, respectively. The software can estimate the crop coefficient with a good precision. Keywords: Reference evapotranspiration. Crop evapotranspiration. Irrigation management.

LISTA DE FIGURAS

Figura 1 - Tela inicial do SEEVA.........................................................................................

27

Figura 2 - Tela de seleção do arquivo de dados de culturas..................................................

28

Figura 3 - Aba Cultura completamente preenchida..............................................................

29

Figura 4 - Aba Solo completamente preenchida.................................................................... 29 Figura 5 - Aba Dados Climáticos.......................................................................................... 30 Figura 6 - Tela de seleção do banco de dados climatológicos..............................................

30

Figura 7 - Aba Dados Climáticos após seleção do arquivo de dados climatológicos........... 31 Figura 8 - Tela de visualização dos dados climatológicos....................................................

31

Figura 9 - Aba ETo................................................................................................................

32

Figura 10 - Aba Kc onde se pode escolher entre Kc single ou Kc dual...............................

33

Figura 11 - Janela de criação dos dados da lâmina de irrigação...........................................

33

Figura 12 - Janela de gravação da tabela de lâminas de irrigação......................................... 34 Figura 13 - Tela de seleção do arquivo das lâminas de irrigação.......................................... 34 Figura 14 - Tela de visualização da tabela de lâminas de irrigação......................................

35

Figura 15 - Preenchimento dos dados complementares da aba Kc.......................................

35

Figura 16 - Aba Resultados...................................................................................................

36

Figura 17 - Resultados simples na forma de texto................................................................

37

Figura 18 - Resultados completos na forma de texto............................................................

37

Figura 19 - Visualização gráfica dos resultados da simulação do Kc single......................... 38 Figura 20 - Visualização gráfica dos resultados da simulação do Kc dual...........................

39

Figura 21 - Exibição do gráfico em tela cheia....................................................................... 39 Figura 22 - Comparação Planilha x SEEVA.........................................................................

40

Figura 23 - Comparação Lisímetro x SEEVA....................................................................... 41

LISTA DE TABELAS

Tabela 1 - Valores de fw de acordo com o tipo de precipitação............................................

25

Tabela 2 - Comparação de Kc’s obtidos por balanço hídrico e pelo software....................... 41

SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO...........................................................................................................

10

2 REVISÃO DE LITERATURA...................................................................................

11

3 MATERIAL E MÉTODOS........................................................................................

14

3.1 ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA........................

14

3.1.1 Método de FAO Penman-Monteith......................................................................

14

3.1.2 Método de Hargreaves-Samani............................................................................

17

3.1.3 Método de Jensen & Haise....................................................................................

18

3.1.4 Método de Linacre................................................................................................

18

3.1.5 Método de Priestley & Taylor..............................................................................

19

3.2 ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DA CULTURA..............................

20

3.3 ESTIMATIVA DO COEFICIENTE DE CULTURA (Kc).........................................

20

3.3.1 Kc single.................................................................................................................

20

3.3.2 Kc dual.....................................................................................................................

23

4 RESULTADOS E DISCUSSÃO................................................................................

27

4.1 APLICAÇÃO DO SOFTWARE................................................................................

40

5 CONCLUSÃO..............................................................................................................

42

REFERÊNCIAS.............................................................................................................

43

APÊNDICE.....................................................................................................................

45

10

1 INTRODUÇÃO

No Nordeste brasileiro, a exploração de frutas tropicais, sob regime de irrigação, vem despontando com grande potencialidade econômica, pelas excelentes condições de insolação e temperatura e facilidades de exportação para mercados estrangeiros como americano o e o europeu. O Agropolo Assu-Mossoró, que está incrustado no semi-árido nordestino, vem se destacando na área da fruticultura irrigada, sendo o maior produtor de melão do Brasil além de se dedicar ao cultivo de manga, banana, caju, melancia, mamão e coco. A irrigação tem demonstrado ser uma das alternativas para o desenvolvimento socioeconômico dessa região. No entanto, ela deve ser manejada racionalmente, a fim de evitar problemas de salinização dos solos e de degradação dos recursos hídricos e edáficos, uma vez que as condições climáticas dessas regiões são extremamente favoráveis à ocorrência desses problemas. A utilização eficiente da água está se tornando cada vez mais importante devido à escassez de recursos hídricos na região e ao elevado custo da energia, o que torna cada vez mais necessário o uso de metodologias apropriadas ao manejo racional do uso da água. Para manejar corretamente uma cultura deve-se determinar com precisão suas necessidades hídricas, e para tal, tem que se considerar que o clima, as características da cultura, o manejo e o meio de desenvolvimento são fatores que afetam a evaporação e a transpiração, que somadas são chamadas de evapotranspiração. Quando se pensa em irrigar, planeja-se repor as perdas ocorridas na cultura através da evapotranspiração da mesma (ETc). Este trabalho tem como objetivo apresentar uma ferramenta computacional desenvolvida para auxiliar o manejo da irrigação e da água, através do cálculo da evapotranspiração da cultura. O software será gratuito, de fácil utilização (já que usa as janelas do Windows®) e reúne simulações da evapotranspiração de referência (ETo) e evapotranspiração da cultura (ETc).

11

2 REVISÃO DE LITERATURA

O manejo da água na irrigação está, cada vez mais, se tornando uma importante característica no manejo da irrigação. Em tempos de aquecimento global e uso racional dos recursos naturais, a correta utilização da água na irrigação nunca esteve tão em foco. A maneira mais adequada de se irrigar é oferecendo a cultura somente a quantidade de água que ela necessita, e, em cima dessa afirmativa, foram desenvolvidos vários métodos de estimativa do consumo hídrico de culturas. Porém, muitos desses métodos possuem utilização prática limitada devido à ausência de sistemas que viabilizem, de forma simples e confiável, a estimativa de acordo com a disponibilidade dos parâmetros relacionados com a planta, solo e atmosfera. Um planejamento adequado da irrigação de uma determinada área de cultivo leva em consideração os recursos hídricos disponíveis no local, a necessidade hídrica da cultura, o conhecimento das variações climáticas da região, o tipo de solo existente no local e todas as interações entre esses fatores. O irrigante tem que tomar decisões, desde antes de plantar, que irão afetar diretamente no manejo sustentável dos recursos hídricos do local e na economicidade da atividade, desde a escolha do sistema de irrigação, turno de rega adotado e lâmina de irrigação. O irrigante pode usufruir de dados de estações meteorológicas e utilizar metodologias encontradas na literatura para determinar a lâmina adequada ao seu cultivo em sua região, porém essas informações não chegam com freqüência ao campo e, por isso, a utilização de um software destinado a essas tarefas deve ser incentivada e disseminada entres os irrigantes. A evapotranspiração é a combinação da evaporação do solo e da transpiração da planta. São dois processos distintos que acontecem simultaneamente, porém não são facilmente distinguíveis. Segundo Allen et al. (1998) e Pereira (2004) a evapotranspiração de referência (ETo) depende somente dos elementos do clima. A ETo expressa o poder de evaporação da atmosfera de um local e tempo específico e não leva em consideração as características da cultura e fatores do solo. O método de Penman-Monteith, recomendado pela FAO para o cálculo da ETo, é o melhor método a se utilizar quando se tem dados climáticos completos (ALLEN et al., 2007), e assim poder estimar as necessidades de água para a irrigação.

12

Duas culturas de referência podem ser utilizadas para a determinação da ETo: uma de tamanho pequeno (0,12 m) similar à grama e uma de tamanho maior (0.50 m) similar à alfafa. Mudanças quanto ao cálculo da evapotranspiração horária foram propostas, criando-se uma outra forma de se escrever a mesma equação, com constantes de intervalo de tempo (horário ou diário) (ASCE-EWRI, 2005). A estimativa da evapotranspiração horária em regiões semiáridas pode ser feita utilizando a metodologia FAO Penmam-Monteith (LÓPEZ-URREA et al., 2006). A estimativa dos coeficientes de cultura (Kc) incorporam as características da cultura e os efeitos da evaporação na superfície do solo (ALLEN et al., 1998; ALLEN et al., 2006). A aproximação Kc x ETo (ETc) oferece uma maneira simples de se estimar a evapotranspiração (ET) de várias culturas sob diversas condições climáticas (DOORENBOS; PRUITT, 1977; ALLEN et al., 1998). Curvas (ou valores) de Kc foram desenvolvidas representando as taxas de ETc na ETo durante os estádios de desenvolvimento. Valores de coeficientes de cultivo foram publicados para um grande número de culturas (ALLEN et al., 1998; ALLEN et al., 2006; ALLEN et al., 2007). O Kc representa a fração relativa da ETo e é governado, principalmente, pela quantidade, tipo e condições da cultura, que tem características mais consistentes que as vegetações naturais. Valores tabelados de Kc são frequentemente utilizados em aplicações agrícolas e podem ser ajustados para as condições climáticas desejadas em função da umidade relativa do ar, velocidade do vento e altura da cultura, através de equações. Allen et al. (1998) apresentam duas definições para o Kc. A primeira é chamada de Kc single que é uma relação entre a ETc e a ETo em um determinado tempo em que não se separa a evaporação da transpiração. A segunda é chamada de Kc dual, que separa o Kc na soma algébrica do coeficiente de cultura basal (Kcb) e do coeficiente de evaporação do solo molhado (Ke). Outros coeficientes são utilizados para tornar o cálculo do Kc dual mais preciso: o coeficiente de stress (Ks), utilizado quando se tem um déficit hídrico na cultura, e o coeficiente de redução da evaporação (Kr), que depende da quantidade de água disponível no solo. A utilização do Kc dual é preferível na estimativa de valores mais precisos de Kc, principalmente para calendários diários de irrigação (ALLEN et al., 1998; ALLEN et al., 2006). Allen e Pereira (2009) introduzem a utilização do coeficiente de densidade (Kd) e propõe alterações no procedimento de cálculo do fator de cobertura (fc), mostrando que a metodologia está em constante evolução.

13

Existem algumas ferramentas computacionais que estimam a evapotranspiração de referência e de cultura. Raes (2009) desenvolveu um software de estimativa da ETo de acordo com os padrões da FAO denominado ETo Calculator. O software estima a ETo em intervalos diários, de dez em dez dias, e mensal e possui procedimentos que estimam, também, dados climáticos faltosos. Allen

(2000)

desenvolveu

um

software

intitulado

REF-ET

(Reference

Evapotranspiration Calculator), que contém procedimentos de cálculo da ETo recomendados pela ASCE e pela FAO. O software CropWat (SMITH, 1992) também utiliza a metodologia da FAO para o cálculo da ETo, porém, ele é um software que também auxilia no manejo da irrigação, podendo-se elaborar calendário de irrigação. Várias versões do CropWat foram desenvolvidas e a mais atual é a versão 8.0 (FAO, 2009). O modelo SIMDualKc é uma aplicação (software) que permite simular o balanço hídrico no solo através do cálculo da ETc, baseando-se na metodologia do Kc dual. Também pode ser utilizado para auxiliar no manejo da irrigação (ROLIM et al., 2006). Valores da evapotranspiração de referência (ETo) ajustados com coeficientes de cultura (Kc) específicos são os métodos mais usados e universalmente aceitos para quantificar a evapotranspiração atual da cultura (ETc).

14

3 MATERIAL E MÉTODOS

O software apresentado nesta pesquisa foi desenvolvido utilizando a linguagem de programação C# no ambiente de desenvolvimento Microsoft® Visual C# 2005. O requisito mínimo para a execução do software é um computador com processador de 32-bits, 128 MB RAM e Windows® XP ou superior e possuir a biblioteca .NET Framework 2.0 instalada, a qual é disponível gratuitamente na Internet. Os bancos de dados escolhidos para serem utilizados pelo programa foram arquivos XML, pela facilidade de criação e manipulação dos dados nesses arquivos através de qualquer editor XML ou do Microsoft® Office Excel.

3.1 ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA

Existem vários métodos de se estimar a ETo. Cada método tem seu próprio procedimento de cálculo e, consequentemente, suas variáveis, por isso, a disponibilidade de dados climáticos é o principal fator da decisão entre um método ou outro. Outro critério a ser utilizado na escolha do método é sua adequação ao clima da região. Os métodos utilizados pelo software são: FAO Penman-Monteith, Hargreaves-Samani, Jensen & Haise, Linacre e Priestley & Taylor

3.1.1 Método de FAO Penman-Monteith

Na estimativa da ETo pelo método de FAO Penman-Monteith assume-se uma cultura hipotética de referência com altura de 0,12 m, resistência estomática fixa de 70 s m-1 e albedo de 0,23, pela equação (ALLEN et al., 1994; ALLEN et al., 1998; ALLEN et al., 2006):

‫ܶܧ‬௢ =

900ܷଶ 0,408 ∆ ሺܴ௡ − ‫ ܩ‬ሻ + ߛ ቀܶ + 273 ቁ ሺ݁௦ − ݁௔ ሻ ∆ + ߛሺ1 + 0,34ܷଶ ሻ

(1)

15

em que ETo é a evapotranspiração de referência (mm dia-1), ∆ é a declinação da curva de saturação de vapor d’água (kPa ºC-1), Rn é a radiação líquida na superfície da cultura (MJ m-2 dia-1), G é a densidade de fluxo de calor no solo (MJ m-2 dia-1), γ é a constante psicrométrica (kPa ºC-1), U2 é a velocidade do vento a 2 m de altura (m s-1), T é a temperatura média diária do ar a 2 m de altura (ºC), es é a pressão de saturação do vapor (kPa) e ea é a pressão de vapor atual (kPa). O procedimento de cálculo de todas as variáveis da equação (1) será mostrado a seguir. Todas as equações seguem o apresentado no manual FAO56 (ALLEN et al., 1998). a)

∆ (declinação da curva de saturação do vapor d’água)

∆=

17,27ܶ ቁቃ ܶ + 237,3 ሺܶ + 237,3ሻଶ

4098 ቂ0,6108 ݁‫ ݌ݔ‬ቀ

(2)

em que T é a temperatura média do ar (ºC), obtida por: ܶ=

ܶ௠௔௫ + ܶ௠௜௡ 2

(3)

em que Tmax e Tmin são as temperaturas máxima e mínima do ar (ºC), respectivamente. Tmax e Tmin devem estar presentes no banco de dados climatológicos. b)

Rn (radiação líquida na superfície da cultura) ܴ௡ = ܴ௡௦ − ܴ௡௟

(4)

em que Rns e Rnl são as radiações solares de ondas curtas e longas (MJ m-2 dia-1), respectivamente e são definidas por ܴ௡௦ = ሺ1−∝ሻܴ௦

(5)

em que α é o albedo, que é 0,23 para a cultura hipotética de referência similar à grama (adimensional), Rs é a radiação solar global (MJ m-2 dia-1), e por

16

ܴ௡௟

ܶ௠௔௫,௄ ସ + ܶ௠௜௡,௄ ସ ܴ௦ ቉ ൫0,34 − 0,14ඥ݁௔ ൯ ൬1,35 = ߪቈ − 0,35൰ 2 ܴ௦௢

(6)

em que σ é a constante de Stefan-Boltzmann [4,903 10-9] (MJ m-2 dia-1), Tmax,K4 e Tmin,K4 é a temperatura absoluta máxima e mínima do dia, respectivamente (K = ºC + 273.16), ea é a pressão de vapor atual (kPa), Rs é a radiação solar global (MJ m-2 dia-1) e Rso é a radiação de dias claros (MJ m-2 dia-1), que é definida por ܴ௦௢ = ሺܽ௦ + ܾ௦ ሻܴ௔

(7)

em que as + bs é a fração de radiação extraterrestre que chega à superfície da Terra em dias claros e Ra é a radiação extraterrestre (MJ m2 dia-1). c)

Rs (radiação solar global) ܴ௦ = ቀܽ௦ + ܾ௦

݊ ቁ ܴ௔ ܰ

(8)

em que n é a insolação ocorrida no dia (horas) e N é a duração máxima do dia (horas). Os valores de as e bs utilizados pelo software são de 0,25 e 0,50, seguindo o recomendado pelo manual FAO56. A radiação extraterrestre (Ra) deve estar presente no banco de dados climatológico. d)

G (densidade de fluxo de calor no solo) A magnitude do fluxo de calor diário no solo sobre a superfície da cultura de referência

é relativamente pequena, então pode ser desprezada (G = 0) (ALLEN et al., 1998). e)

γ (constante psicrométrica) ߛ=

ܿ௣ ܲ = 0,665 ∙ 10ିଷ ܲ ߝߣ

(9)

em que cp é o calor específico numa pressão constante, 1,013 10-3 (MJ K-1 ºC-1), P é pressão atmosférica (kPa), ε é o peso molecular do vapor d’água/ar seco, 0,622 (adimensional) e λ é o calor latente de vaporização, 2,45 MJ K-1. A Pressão atmosférica (P) deve estar presente no banco de dados climatológico. f)

U2 (velocidade do vento a 2 m de altura)

17

A velocidade do vento a 2 m de altura (U2), em m s-1, deve estar presente no banco de dados climatológicos. g)

T (temperatura média diária a 2 m de altura) O procedimento de cálculo da temperatura média diária a 2 m de altura (T) é mostrado

na equação (3). h)

es (pressão de saturação do vapor) ݁௦ =

݁ ௢ ሺܶ௠௔௫ ሻ + ݁ ௢ ሺܶ௠௜௡ ሻ 2

(10)

em que eo(Tmax) e eo(Tmin) é a pressão de saturação de vapor (kPa) na hora mais quente e mais fria do dia, respectivamente, e é definida por: ݁ ௢ ሺܶሻ = 0,6108 ݁‫ ݌ݔ‬൬

12,27 ܶ ൰ ܶ + 237,3

(11)

em que T é a temperatura do ar (ºC). i)

ea (pressão de vapor atual) ݁௔ =

ܷܴ௠௘ௗ ݁ 100 ௦

(12)

em que URmed é a umidade relativa do ar média (%) e es é a pressão de saturação do vapor (kPa).

3.1.2 Método de Hargreaves-Samani

Na ausência de dados de umidade relativa e velocidade do vento, a evapotranspiração, em mm dia-1, pode ser estimada através da seguinte equação (HARGREAVES; SAMANI, 1982): ‫ܶܧ‬௢ = 0,0023 ሺܶ௠௘ௗ + 17,8ሻ ∙ ܴ௔ ∙ ඥሺܶ௠௔௫ − ܶ௠௜௡ ሻ

(13)

18

em que Tmax , Tmin e Tmed é a temperatura máxima, mínima e média diária (ºC), respectivamente, e Ra é a radiação extraterrestre (mm dia-1).

3.1.3 Método de Jensen & Haise

Para regiões áridas e semi-áridas, Jensen e Haise (1963) apresentaram a seguinte equação para o cálculo da evapotranspiração de referência, em mm dia-1: ‫ܶܧ‬௢ = ܴ௦ ሺ0,025 ܶ௠௘ௗ + 0,08ሻ

(14)

em que Rs é a radiação solar global (mm dia-1) e Tmed é a temperatura média diária (ºC).

3.1.4 Método de Linacre

A evapotranspiração de referência pelo método de Linacre, em mm dia-1, pode ser obtida em função da altitude, latitude e das temperaturas diárias máxima, mínima e do ponto de orvalho, através da equação (LINACRE, 1977): 500ሺܶ௠௘ௗ + 0,006 ℎሻ + 15ሺܶ௠௘ௗ − ܶௗ௘௪ ሻ 100 − ߮ ‫ܶܧ‬௢ = 80 − ܶ௠௘ௗ

(15)

em que Tmed é a temperatura média diária (ºC), h é a altura acima do nível do mar (m), φ é a latitude (graus) e Tdew é a temperatura do ponto de orvalho (ºC) que é definida por: ܶௗ௘௪ =

116,91 + 237,3 ݁௔ 16.78 − ݈݊ሺ݁௔ ሻ

em que ea é a pressão de vapor atual (kPa).

(16)

19

3.1.5 Método de Priestley & Taylor

O método de Priestley & Taylor, utilizado na estimativa da evapotranspiração, constituise numa aproximação do método de Penman. Nesta equação permanece apenas o saldo de radiação corrigido por um coeficiente empírico (α), conhecido como parâmetro de Priestley & Taylor, o qual incorpora a energia adicional ao processo de evapotranspiração proveniente do termo aerodinâmico. Eles mostraram que esse coeficiente varia de 1,08 a 1,34, com média de 1,26 em condições mínimas de advecção regional. Através do método de Priestley & Taylor, a evapotranspiração, em MJ m-2 dia-1, pode ser obtida pela equação (PRIESTLEY; TAYLOR, 1972): ‫ܶܧ‬௢ =

∝ ∙ ܹ ∙ ሺܴ௡ − ‫ ܩ‬ሻ 2,45

(17)

em que α é o parâmetro de Priestley & Taylor (adimensional), W é a declinação da curva de saturação do vapor d’água em função da temperatura, que pode ser estimada por (VISWANADHAM et al., 1991): ܹ = 0,407 + 0,0147 ܶ

(18)

ܹ = 0,483 + 0,01 ܶ

(19)

para 0 < T < 16 ºC

para T > 16,1 ºC.

20

3.2 ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DA CULTURA

A evapotranspiração da cultura (ETc) se diferencia da ETo por apresentar características de cultura diferentes da cultura de referência: área de cobertura, tamanho da planta, albedo, resistência à transferência de vapor e evaporação do solo. Dessa forma, a estimativa da ETc é mais próximo da necessidade hídrica real da cultura. A ETc pode ser expressa pela multiplicação do coeficiente de cultivo (Kc) e ETo. O Kc é um coeficiente que expressa a diferença da evaporação entre a própria cultura e a cultura de referência, varia predominantemente com as características específicas de cada cultura e pode ser ajustado para diferentes regiões e climas.

3.3 ESTIMATIVA DO COEFICIENTE DE CULTURA (KC)

O Kc pode ser estimado combinando, em um único coeficiente, a evaporação do solo e a transpiração da planta (Kc single) ou separando o cálculo desses dois fatores (Kc dual). A escolha entre essas duas formas de estimativa depende da precisão requerida, dos dados climáticos disponíveis e do intervalo em que os cálculos serão executados (semanal, diário).

3.3.1 Kc single

De acordo com o apresentado pelo manual FAO24, o crescimento da cultura é dividido em 4 estádios, representados por três diferentes coeficientes de cultura: Kc inicial, Kc médio e Kc final. O primeiro estádio coincide com o Kc inicial, que compreende o dia do plantio até o dia em que a cultura cobre cerca de 10% do solo. O segundo estádio é chamado de estádio de desenvolvimento vegetativo que vai desde 10% até os 75% de cobertura do solo. O terceiro estádio coincide com o Kc médio, começa no fim do segundo estádio e termina quando a planta começa a consumir menos água devido a sua senescência. O quarto estádio inicia-se no final do terceiro estádio, quando o uso de água pela planta é mínimo ou cessa, e termina na

21

colheita (Kc final). Os coeficientes da cultura são representados por linhas retas que conectam os quatro estádios de desenvolvimento da planta. O Kc inicial é determinado por (ALLEN et al., 1998; ALLEN et al. 2006):

‫ܿܭ‬௜௡௜ =

ܴ‫ܹܧ‬ −ሺ‫ݐ‬௪ − ‫ݐ‬ଵ ሻ‫ܧ‬௦௢ ቀ1 + ቁ ܶ‫ ܹܧ‬− ܴ‫ ܹܧ‬ቍ ܶ‫ ܹܧ‬− ሺܶ‫ ܹܧ‬− ܴ‫ܹܧ‬ሻ݁‫ ݌ݔ‬ቌ ܶ‫ܹܧ‬ ‫ݐ‬௪ ∙ ‫ܶܧ‬௢

(20)

em que TEW é a água totalmente evaporável (mm), REW é a água prontamente evaporável (mm), tw é o tempo médio entre eventos de molhamento (dia), t1 é o tempo em que se completa a fase de secamento do estádio 1 (dia), Eso é a taxa potencial de evaporação (mm dia-1) e ETo é a evapotranspiração de referência média durante o período inicial da cultura (mm dia-1). O procedimento de cálculo de todas as variáveis da equação (20) será mostrado a seguir. Todas as equações seguem o apresentado no manual FAO56 (ALLEN et al., 1998). a)

TEW (água totalmente evaporável) ܶ‫ = ܹܧ‬1000ሺߠ஼஼ − 0,5ߠ௉ெ ሻܼ௘

(21)

em que θCC é a umidade do solo na capacidade de campo (m3 m-3), θPM é a umidade do solo no ponto de murcha (m3 m-3) e Ze é a camada efetiva de evaporação do solo (m). Quando desconhecido, o valor de Ze recomendado é entre 0,10 e 0,15 m. O software utiliza o valor de Ze igual a 0,15 m em suas simulações. b)

REW (água prontamente evaporável) (PEREIRA, 2004) A REW depende da textura do solo. Se a porcentagem de areia for maior que 80% ܴ‫ = ܹܧ‬20 − 0,15 ∙ ‫ܣ‬௥

(22)

Se a porcentagem de argila for maior que 50% ܴ‫ = ܹܧ‬11 − 0,06 ∙ ‫ܣ‬௚

(23)

22

Para todos os outros casos ܴ‫ = ܹܧ‬8 + 0,08 ∙ ‫ܣ‬௚

(24)

em que Ar e Ag são as quantidades de areia e argila presentes na amostra de solo (%), respectivamente. c)

tw (tempo médio entre eventos de molhamento)(PEREIRA, 2004): ‫ݐ‬௪ =

‫ܮ‬௜௡௜ ݊௪

(25)

em que Lini é a duração do estádio 1 (dias) e nw é o número de regas feitas no estádio 1 (adimensional). d)

t1 (tempo de secamento do estádio 1) ‫ݐ‬ଵ =

e)

ܴ‫ܹܧ‬௖௢௥ ‫ܧ‬௦௢

(26)

Eso (taxa potencial de evaporação) ‫ܧ‬௦௢ = 1,15 ‫ܶܧ‬௢

(27)

O Kc médio é determinado pela equação (ALLEN et al., 1998; ALLEN et al. 2006): ‫ܿܭ‬௠௘ௗ

ℎ ଴,ଷ = ‫ܿܭ‬௠௘ௗሺ்௔௕ሻ + ሾ0,04ሺܷଶ − 2ሻ − 0,004ሺܷܴ௠௜௡ − 45ሻሿ ൬ ൰ 3

(28)

em que Kcmed(Tab) é o valor de Kcmed tabelado (adimensional) apresentado no manual FAO56, U2 é a velocidade média do vento durante o estádio (m s-1), URmin é a umidade relativa mínima do ar durante o estádio (%), e h é a altura média da planta durante o estádio (m). O Kc final é determinado pela equação (ALLEN et al., 1998; ALLEN et al. 2006): ℎ ଴,ଷ ‫ܿܭ‬௘௡ௗ = ‫ܿܭ‬௘௡ௗሺ்௔௕ሻ + ሾ0,04ሺܷଶ − 2ሻ − 0,004ሺܷܴ௠௜௡ − 45ሻሿ ൬ ൰ 3

(29)

23

em que Kcend(Tab) é o valor de Kcend tabelado (adimensional) apresentado no manual FAO56.

3.3.2 Kc dual

No procedimento de cálculo, o Kc é dividido em dois coeficientes distintos, um para a transpiração da cultura (o coeficiente de cultura basal, Kcb) e outro para a evaporação do solo (Ke). Então: ‫ܿܭ = ܿܭ‬௕ + ‫ܭ‬௘

(30)

O Kcb é definido como a relação entre a evapotranspiração da cultura e a evapotranspiração de referência (ETc / ETo) quando a superfície do solo está seca e a transpiração ocorre numa taxa potencial, ou seja, há água suficiente no solo para a planta realizar sua completa transpiração. O Kcb é representado por: ℎ ଴,ଷ ‫ܿܭ‬௕ = ‫ܿܭ‬௕ሺ்௔௕ሻ + ሾ0,04 ሺܷଶ − 2ሻ − 0,004 ሺܷܴ௠௜௡ − 45ሻሿ ൬ ൰ 3

(31)

em que Kcb(Tab) é o valor de Kcb tabelado (adimensional) apresentado no manual FAO56, U2 é a velocidade média do vento durante o estádio (m s-1), URmin é a umidade relativa mínima do ar durante o estádio (%), e h é a altura média da planta durante o estádio (m). Esta equação pode ser usada para encontrar o Kc basal médio e final. O Kc basal inicial é dado pela lista presente no manual FAO56. O Ke é o componente de evaporação do Kc. O Ke é máximo logo após chuva ou irrigação. Quando a superfície do solo está seca, o Ke é baixo podendo chegar à zero. ‫ܭ‬௘ = ‫ܭ‬௥ ሺ‫ܿܭ‬௠௔௫ − ‫ܿܭ‬௕ ሻ ≤ ݂௘௪ ∙ ‫ܿܭ‬௠௔௫

(32)

em que Kr é o coeficiente de redução da evaporação (adimensional), Kcmax é o valor máximo de Kc seguido de uma chuva ou irrigação (adimensional), Kcb é o coeficiente de transpiração

24

basal da cultura (adimensional) e few é a fração do solo exposta e molhada, ou seja, a fração do solo em que a evaporação mais ocorre (adimensional). A evaporação ocorre predominantemente na fração do solo que está exposta, logo Ke não pode ultrapassar few KcMax. O Kcmax representa o limite máximo de evaporação e transpiração da cultura e é calculado da seguinte forma: ‫ܿܭ‬௠௔௫

ℎ ଴,ଷ = ݉ܽ‫ ݔ‬ቆቊ1,2 + ሾ0,04 ሺܷଶ − 2ሻ − 0,004 ሺܷܴ௠௜௡ − 45ሻሿ ൬ ൰ ቋ , ሼ‫ܿܭ‬௕ + 0,05ሽቇ 3

(33)

A equação (33) assegura que o Kcmax sempre será maior ou igual ao Kcb + 0,05. Isso é necessário, pois se sugere que o Kcb é acrescido de 0,05 quando a superfície do solo é totalmente molhada, após chuva ou irrigação, mesmo em períodos de cobertura total do solo. O cálculo do coeficiente de redução de evaporação do solo (Kr) é dividido em dois estágios, um quando a superfície do solo está molhada (Kr = 1), e outro quando a quantidade de água na superfície do solo se torna limitante (Kr < 1). A equação abaixo abrange as duas fases do Kr: ‫ܭ‬௥ =

ܶ‫ ܹܧ‬− ‫ܦ‬௘, ௜ିଵ ܶ‫ ܹܧ‬− ܴ‫ܹܧ‬

(34)

em que TEW é a água totalmente evaporável (mm), REW é a água prontamente evaporável (mm) e De, i-1 é a quantidade acumulada de evaporação na superfície do solo no dia anterior (mm). Procedimento de cálculo da fração do solo exposta e molhada (few): ݂௘௪ = ݉݅݊ሺ1 − ݂௖ , ݂௪ ሻ

(35)

em que 1-fc é a fração do solo exposta mas não sombreado e fw é a fração do solo molhada por precipitação. a)

fc (fração do solo exposto sombreado)

25

‫ܿܭ‬௕ − ‫ܿܭ‬௠௜௡ ሺଵା଴,ହ௛ሻ ݂௖ = ൬ ൰ ‫ܿܭ‬௠௔௫ − ‫ܿܭ‬௠௜௡

(36)

em que Kcb é o coeficiente de transpiração basal da cultura (adimensional), Kcmax é o valor máximo de Kc seguido de uma chuva ou irrigação (adimensional), Kcmin é o valor mínimo de Kc para um solo nu, seco e sem cobertura (adimensional) e h é a altura média da planta durante o estádio (m). O valor recomendado do Kcmin é entre 0,15 e 0,20. No software o valor escolhido de Kcmin é 0,15. b)

fw (fração do solo molhada por precipitação) Valores possíveis de fw são mostrados na Tabela 1.

Tabela 1 – Valores de fw de acordo com o tipo de precipitação Tipo de precipitação

fw

Chuva

1,0

Irrigação por aspersão

1,0

Irrigação por faixa

1,0

Irrigação por sulco

0,4 – 0,8

Irrigação por micro-aspersão

0,5 – 1,0

Irrigação por gotejamento

0,3 – 0,7

Procedimento de cálculo do coeficiente de redução da evaporação do solo (Kr): Para estimar o Kr é necessário um cálculo de balanço hídrico diário da camada superficial do solo para se fazer o cálculo da quantidade de evaporação acumulada (De). ‫ܦ‬௘,



= ‫ܦ‬௘,

௜ିଵ

− ሺܲ௜ − ܴܱ௜ ሻ −

‫ܫ‬௜ ‫ܧ‬௜ + + ܶ‫ܹܧ‬௜ + ‫ܲܦ‬௘, ݂௪ ݂௘௪



(37)

em que De, i-1 é a quantidade acumulada de evaporação na superfície do solo no dia anterior (mm), Pi é a precipitação no dia i (mm), ROi é a perda por escoamento superficial no dia i (mm), Ii é a lâmina de irrigação no dia i (mm), Ei é a evaporação no dia i (mm) e DPe, i é a perda por percolação profunda no dia i (mm). A DPe, i é dada por (ALLEN et al., 2007):

26

‫ܲܦ‬௘,



= ሺܲ௜ − ܴܱ௜ ሻ +

‫ܫ‬௜ − ‫ܦ‬௘, ݂௪

௜ିଵ

(38)

A DPe deve ser igual ou superior a zero. Para iniciar os cálculos, pode-se assumir que a superfície do solo está perto da capacidade de campo (De, evaporável evaporou na camada superficial do solo (De, segunda opção em suas simulações.

i-1

i-1

= 0) ou que toda a água

= TEW). O software utiliza a

27

4 RESULTADOS E DISCUSSÃO

Através do SEEVA, o usuário poderá otimizar o manejo da água de irrigação através de estimativas de evapotranspiração de referência (ETo) e de cultura (ETc). O usuário poderá escolher 5 métodos diferentes de estimativa da ETo: FAO Penman-Monteith, HargreavesSamani, Jensen & Haise, Linacre e Priestley & Taylor. Já a estimativa da ETc pode ser feita de duas maneiras, ambas pelo método proposto no manual FAO56, que são utilizando o Kc single ou o Kc dual. O software utiliza o sistema de abas para uma maior facilidade no manuseio do mesmo. Na tela inicial do software (Figura 1), pode-se ver as abas de navegação do software: Cultura, Solo, Dados Climáticos, ETo, Kc, e Resultados. O SEEVA inicia com a aba Cultura selecionada.

Figura 1 - Tela inicial do SEEVA O usuário deve selecionar a cultura para a determinação do Kc. Ao clicar no botão Selecionar arquivo de dados de culturas... uma janela se abrirá (Figura 2) e o usuário deverá selecionar o arquivo de dados onde estão armazenados os dados de culturas (arquivo XML que vem junto com o software, passível de edição pelo usuário – ver Apêndice).

28

Figura 2 - Tela de seleção do arquivo de dados de culturas Com o arquivo de culturas selecionado, o SEEVA preencherá automaticamente os campos de duração dos quatro estádios de desenvolvimento da cultura com valores padrão. Como esses valores podem variar de acordo com as características climáticas de cada região, o usuário poderá alterar esses valores. O usuário deverá também inserir a altura média da cultura, em metros, durante os estádios III e IV em seus respectivos campos, como mostrado na Figura 3. Todos os campos da aba Cultura devem estar preenchidos antes de se clicar no botão Avançar >>.

29

Figura 3 - Aba Cultura completamente preenchida Na aba Solo, todas as características de solo necessárias para a estimativa do Kc são apresentadas. Subtende-se que o usuário tem uma análise do solo em mãos para poder preencher corretamente esses campos. Todos os campos mostrados nessa aba deverão ser preenchidos manualmente pelo usuário, como mostrado na Figura 4. Após preenchimento total da aba Solo clique no botão Avançar >>, o usuário é levado até a próxima aba: Dados Climáticos (Figura 5). O usuário deverá clicar no botão Escolher banco de dados...

Figura 4 - Aba Solo completamente preenchida

30

Figura 5 - Aba Dados Climáticos Na janela que se abrir, deve-se escolher o arquivo XML que contém os dados climatológicos necessários para os cálculos (Figura 6). Ver no apêndice como proceder para criar esse arquivo.

Figura 6 - Tela de seleção do banco de dados climatológicos

31

Após a seleção do arquivo de dados climatológicos, o software mostrará o nome do banco de dados (arquivo) escolhido e uma opção de visualização dos dados do arquivo (Figura 7). É mostrado na Figura 8 a visualização desses dados.

Figura 7 - Aba Dados Climáticos após seleção do arquivo de dados climatológicos

Figura 8 - Tela de visualização dos dados climatológicos

32

Na próxima aba, ETo, o usuário deve selecionar o método de estimativa da ETo dentre os cinco apresentados. No caso da seleção do método de Priestley & Taylor, o usuário deverá entrar com o valor do coeficiente de Priestley & Taylor (α) (Figura 9).

Figura 9 - Aba ETo Na aba Kc, o usuário pode escolher entre utilizar o Kc single (ou Kc médio) e o Kc dual para a simulação, bastando para isso clicar em um dos dois botões: Single Kc ou Dual Kc (Figura 10). Na escolha do Kc single, o usuário deve inserir os valores da lâmina de plantio, a lâmina média aplicada e o número de irrigações durante o estádio I de desenvolvimento da cultura em seus respectivos campos. Já no Kc dual, é necessário se ter os valores da lâmina de irrigação de todos os dias durante todo o ciclo da cultura. Para criar a tabela com esses valores, o usuário deve clicar no botão Criar dados... . Uma janela com os dias do ciclo e a lâmina aplicada em cada dia se abrirá e o usuário deverá inserir as lâminas de cada dia (Figura 11). Caso uma lâmina se repita em mais de um dia consecutivo, o usuário poderá marcar a checkbox que se encontra na primeira coluna da tabela e o valor se repetirá no dia seguinte.

33

Figura 10 - Aba Kc onde se pode escolher entre Kc Single ou Kc Dual

Figura 11 - Janela de criação dos dados da lâmina de irrigação Ao finalizar a entrada de dados das lâminas de irrigação, o usuário deve clicar em Gravar & Carregar para salvar a tabela recém criada em um arquivo XML com nome de sua escolha (Figura 12). O arquivo será armazenado no diretório corrente do programa.

34

Figura 12 - Janela de gravação da tabela de lâminas de irrigação Caso o usuário já tenha criado uma tabela anteriormente, ele poderá carregá-la clicando em Carregar dados... na aba Kc do SEEVA. Uma janela irá abrir-se para o usuário selecionar o arquivo já gravado anteriormente (Figura 13).

Figura 13 - Tela de seleção do arquivo das lâminas de irrigação Com o arquivo selecionado, será exibido ao usuário a tabela selecionada com os dias do ciclo e suas respectivas lâminas (Figura 14). O usuário poderá alterar a tabela se for necessário, salvá-la novamente ou não para a utilização pelo software.

35

Figura 14 - Tela de visualização da tabela de lâminas de irrigação Independentemente da escolha de Kc single ou dual, a data do plantio, o sistema de irrigação utilizado e a fração do solo molhado pelo sistema de irrigação (fw) deverão ser inseridos (Figura 15). Uma série de valores de fw para cada sistema de irrigação selecionado é listado em sua caixa de texto, cabendo ao usuário escolher um deles ou inserir um diferente.

Figura 15 - Preenchimento dos dados complementares da aba Kc

36

Após a escolha do Kc single ou dual para a simulação e preenchimento devido de seus campos, o usuário deve clicar no botão Calcular >>. O SEEVA fará os cálculos e levará o usuário para a aba Resultados onde os resultados poderão ser visualizados (Figura 16).

Figura 16 - Aba Resultados Os resultados podem ser visualizados de duas maneiras: na forma de texto e na forma de gráficos. No Kc dual, os resultados na forma de texto são divididos em resultado simples e completos. O SEEVA, após os cálculos, guarda os resultados em forma de arquivos de texto no diretório corrente do programa. Para acessá-los, basta clicar nos links Resultados_SEEVADual.txt ou Resultados_SEEVA-Dual_completo.txt, para resultados simples e completos, respectivamente. Na forma simples os resultados mostrados são: dia Juliano, Kc e ETo (Figura 17). Na forma completa são: DJ (dia Juliano), Kcb (coeficiente basal de cultura), h (altura máxima da cultura), Kcmax (coeficiente de cultura máximo), Lam/fw (relação lâmina de irrigação e fator de molhamento), fc (fator de cobertura do solo), fw (fator de molhamento), few (fração do solo exposta e molhada), Deant (quantidade acumulada de evaporação na superfície do solo no dia anterior), Kr (coeficiente de redução de evaporação do solo), Ke (coeficiente de evaporação), E (evaporação), DPe (perca por percolação profunda), De (quantidade de evaporação acumulada) e Kc (coeficiente de cultura) (Figura 18). Os resultados em forma de texto são apresentados com até 14 casas decimais (precisão do software).

37

Figura 17 - Resultados simples na forma de texto

Figura 18 - Resultados completos na forma de texto Os valores dos resultados são separados por ponto-e-vírgula para facilitar o processo de importação para outros programas, como o Microsoft® Excel por exemplo. Para visualizar os resultados na forma gráfica basta clicar no botão Gráfico Single ou Gráfico Dual para resultados da estimativa de Kc single e dual, respectivamente.

38

A visualização gráfica dos resultados da simulação do Kc single é mostrada numa janela que contém o gráfico da curva do Kc single e o gráfico da ETo e da ETc durante o ciclo da cultura. A tela apresenta também os valores do Kc inicial, médio e final e suas respectivas ETc’s (Figura 19). Na visualização gráfica do Kc dual, têm-se o gráfico da curva do Kc que contém o coeficiente de evaporação (Ke), o coeficiente basal de cultura (Kcb), o próprio Kc e o Kc ajustado (Figura 20). O cálculo do Kc ajustado é feito da seguinte forma: para o primeiro estádio é a média dos Kc’s do estádio 1, para o terceiro estádio é a média dos Kc’s do estádio 3, para o segundo estádio é feita uma interpolação com os valores do estádio 1 e 3, e para o quarto estádio utiliza-se o método dos mínimos quadrados para se obter uma reta que mais se aproxime dos pontos dos Kc’s do estádio 4. A tela apresenta ainda um gráfico com a ETo e a ETc durante o ciclo da cultura e os valores de Kc inicial, médio e final com suas respectivas ETc’s. Os valores de Kc inicial, médio e final mostrados são oriundos do cálculo do Kc ajustado.

Figura 19 - Visualização gráfica dos resultados da simulação do Kc single

39

Figura 20 - Visualização gráfica dos resultados da simulação do Kc dual O usuário pode alternar a visualização de qualquer gráfico em tela cheia e tamanho normal bastando clicar sobre ele (Figura 21).

Figura 21 - Exibição do gráfico em tela cheia

40

4.1 APLICAÇÃO DO SOFTWARE

Para testar se a metodologia foi aplicada corretamente durante o desenvolvimento do software, alguns testes comparativos precisaram ser feitos. O software foi submetido a uma comparação com três metodologias diferentes: estimativa de Kc através de lisímetro, estimativa de Kc através de balanço hídrico e estimativa de Kc através da metodologia padrão da FAO. Allen et al. (1998) apresenta uma planilha de cálculo do Kc utilizando a metodologia proposta neste trabalho. Observou-se que o coeficiente de determinação entre a planilha e o software foi de 0,9993, o que indica que o método foi corretamente aplicado no desenvolvimento do software (Figura 22). Figueirêdo et al. (2009) estimou os valores de Kc de melancia sem mulch utilizando lisímetro. O coeficiente de determinação na comparação lisímetro e software foi de 0,7492, indicando que existe diferença entre os métodos na obtenção do Kc, porém a metodologia, e consequentemente o software, pode estimar com uma boa precisão os coeficientes de cultivo (Figura 23).

1.2

1

Kc SEEVA

0.8

0.6

0.4

0.2 y = 0.9795x + 0.0082 R² = 0.9993 0 0.00

0.20

0.40

0.60 Kc Planilha

Figura 22 - Comparação Planilha x SEEVA

0.80

1.00

1.20

41

1.4

1.2

1

Kc SEEVA

0.8

0.6

0.4

0.2

y = 0.6581x + 0.407 R² = 0.7492

0 0.00

0.20

0.40

0.60

0.80

1.00

1.20

1.40

Kc Lisimetro

Figura 23 - Comparação Lisímetro x SEEVA Comparou-se também os patamares do Kc inicial, Kc médio e Kc final com ospatamares dos Kc’s obtidos por balanço hídrico. Verificou-se que o software subestima o Kc inicial e o Kc médio em aproximadamente 26% e 3% respectivamente e superestima o Kc final em aproximadamente 22%, como mostrado na Tabela 2. Tabela 2 – Comparação de Kc’s obtidos por balanço hídrico e pelo software Kc inicial Kc médio

Kc final

SEEVA

0.25

0.86

0.62

Balanço

0.34

0.89

0.51

0.7353

0.9663

1.2157

SEEVA/Balanço

Os valores de Kc usados como comparação no balanço hídrico foram obtidos de um experimento que testou diferentes doses de adubação e eram coletados semanalmente. O intervalo de uma semana para se coletar os dados de Kc assim como as diferentes doses de adubação podem explicar parte da diferença observada na comparação do balanço hídrico com o software.

42

5 CONCLUSÃO

O SEEVA é uma ferramenta que auxilia no manejo da irrigação, estimando com boa precisão o coeficiente de cultivo que, aliado com a evapotranspiração de referência também estimada pelo software, resulta na evapotranspiração da cultura que pode ser utilizada para planejar com maior eficiência o uso da água na irrigação.

43

REFERÊNCIAS

ALLEN, R.G.; PEREIRA, L.S.; RAES, D.; SMITH, M. Crop evapotranspiration: guidelines for computing crop water requirements. Roma, Itália: FAO, 1998. 300p. (Irrigation and Drainage Paper 56). ALLEN, R.G.; PEREIRA, L.S.; RAES, D.; SMITH, M. Evapotranspiración del cultivo: guías para la determinación de los requerimientos de agua de los cultivos. Roma, Itália: FAO, 2006. 300p. (Irrigation and Drainage Paper 56). ALLEN, R.G. Ref-ET: reference evapotranspiration calculation software. University of Idaho research and extension Center, Kimberly, Idaho. 82p. 2000 ALLEN, R.G.; SMITH, M.; PERRIER, A.; PEREIRA, L.S.; An update for the calculation of reference evapotranspiration. ICID Bulletin, New Delhi, v. 43, n. 2, p. 35-90, 1994. ALLEN, R.G.; WRIGHT, J.L.;PRUITT, W.O.;PEREIRA, L.S.; JENSEN, M.E. Water Requirements. In: HOFFMAN, J.H.; EVANS, R.G.; JENSEN, M.E.; MARTIN, D.L.; ELLIOT, R.R. Design and operation of farm irrigation systems. St. Joseph: ASABE, p. 207-288. 2007 ASCE-EWRI. The ASCE standardized reference evapotranspiration equation. American Society of Civil Engineers. 2005. 69p. DOORENBOS, J.; PRUIT, W.O. Guidelines for predicting crop water requirements. Roma, Itália: FAO, 1977. 198p. (Irrigation and Drainage Paper 24). FAO. Example of the use of Cropwat 8.0. 75p. 2009. FIGUEIRÊDO, V.B.; MEDEIROS, J.F.; ZOCOLER, J.L.; ESPINOLA SOBRINHO, J. Evapotranspiração da cultura da melancia irrigada com água de diferentes salinidades. Engenharia Agrícola, Jaboticabal, v.29, n.2, p.231-240. 2009. HARGREAVES, G.H.; SAMANI, Z.A. Estimation of potential evapotranspiration. Journal of Irrigation and Drainage Division. ASCE, Nova Iorque v.108., n.3, p.225-230. 1982. JENSEN, M.E.; HAISE, H.R.E. Estimating evapotranspiration from solar radiation. Journal of Irrigation and Drainage Division. ASCE, v.89, p.15-41, 1963 LINACRE, E.T. A simple formula for estimating evapotranspiration rates in various climates, using temperature data alone. Agricultural Meteorology, v.18, p.409-424, 1977. LÓPEZ-URREA, R.; MARTÍN DE SANTA OLALLA, F.; FABEIRO, C.; MORATALLA, A. An evaluation of two hourly reference evapotranspiration equations for semiarid conditions. Agricultural Water Management. v.86, p.277-282. 2006 PEREIRA, L.S.; Necessidades de água e métodos de rega. Lisboa: Publicações EuropaAmérica, 2004. 312 p.

44

PRIESTLEY, C.H.B.; TAYLOR, R.J. On the assessment of surface heat flux and evaporation using large-scale parameters. Monthly Weather Review, Washington, v.100, p.81-92, 1972. RAES, D. The ETo calculator: evapotranspiration from a reference surface. Roma, Itália. 2009. ROLIM, J.; GODINHO, P.; SEQUEIRA, B.; ROSA, R.; PAREDES, P.; PEREIRA, L.S. SIMDualKc, a software tool for water balance simulation based on dual crop coefficient. Flórida, EUA: ASABE, 2006 SMITH, M. CropWat: a computer program for irrigation planning and management. Roma, Itália; FAO, 1992. 127p. (Irrigation and Drainage Paper 46). VISWANADHAM, Y.; SILVA FILHO, V.P.; ANDRE, R.G.B. The Priestley-Taylor parameter α for the Amazon forest. Forest Ecology Management, Amsterdam, v.38, p.211225, 1991.

45

APÊNDICE

Manual de utilização do SEEVA O SEEVA trabalha com arquivos XML. É desses arquivos que são retirados os dados de culturas, climatológicos e de irrigação. Veja mais a frente como manipular arquivos XML utilizando o Excel para serem utilizados no SEEVA. A navegação do SEEVA é feita pelas abas de navegação. Através delas que o usuário pode ir avançando na entrada de dados do programa, passando de cultura para solo depois para dados climatológicos, até chegar à aba Resultados onde se poderá visualizar os resultados após os cálculos feitos pelo SEEVA. Vamos a um exemplo que irá demonstrar toda a utilização do programa. 1. Inicie o SEEVA.

2. Selecione um arquivo XML com os dados de culturas 3. Altere, se necessário as durações dos 4 estádios de desenvolvimento da cultura 4. Digite sua altura média no 3º e 4º estádio 5. Clique em avançar

46

6. Na aba Solo, digite a porcentagem de areia e argila do solo 7. Digite a capacidade de campo e o ponto de murcha do solo (em cm3 por cm3) 8. Digite a porcentagem de escoamento do solo 9. Clique em avançar

47

10. Escolha o arquivo XML que se encontra os dados climatológicos 11. Clique em avançar

12. Escolha Single Kc ou Dual Kc, clicando em um dos botões

48

Para Single Kc: 1. Digite a lâmina aplicada no dia do plantio (em mm) 2. Digite a média das lâminas a serem aplicadas durante todo o 1º estádio 3. Digite o número de irrigações a serem feitas durante todo o 1º estádio. 4. Escolha a data do plantio 5. Escolha o tipo de irrigação 6. Escolha o fator de molhamento para o tipo de irrigação adotado 7. Clique em calcular

Para Dual Kc: 1. Clique em Carregar dados... e escolha o arquivo XML de irrigação a. Se ainda não tiver criado esse arquivo, clique em Criar dados...

49

b. Insira na tabela que irá aparecer, os dados de irrigação dia-a-dia até o fim do ciclo da cultura. Deseja-se repetir a irrigação do dia anterior, marque a caixa de seleção do dia seguinte c. Clique em Gravar & Carregar

50

d. Insira o nome do arquivo XML (o arquivo será gravado na pasta em que o programa está instalado)

e. Uma mensagem dizendo que a tabela foi gravada com êxito deve aparecer

51

2. Escolha a data do plantio 3. Escolha o tipo de irrigação 4. Escolha o fator de molhamento para o tipo de irrigação adotado 5. Clique em calcular

O programa automaticamente irá selecionar a aba Resultados.

52

Na aba Resultados, irão aparecer os resultados dos cálculos do Kc Single e do Kc Dual, se o usuário tiver escolhido o Single Kc ou o Dual Kc na aba Kc, respectivamente. Existe uma caixa de texto onde o usuário pode escolher o local onde serão salvos os resultados em forma de texto. O caminho padrão é o diretório onde o software está instalado. Para alterar o local, basta clicar no botão Salvar... Para visualizar o gráfico, basta clicar no botão correspondente (Gráfico Single ou Gráfico Dual) e uma nova janela aparecerá com o gráfico correspondente e com os resultados na forma de texto. Os gráficos podem ser salvos como figura (JPEG), basta clicar no gráfico com o botão direito do mouse e, em seguida, clicar em Save Image as... e escolher o local onde será guardada as figuras. Isto é muito útil quando se deseja apresentar os gráficos em trabalhos ou apresentações.

53

No caso do Dual Kc, para a visualização dos resultados em forma de texto, deve-se clicar em Resultados_SEEVA-Dual.txt para visualizar resultados resumidos: Dia do ciclo, Kc e ETo e em Resultados_SEEVA-Dua_completo.txt para visualizar todos os dados: Dia do ciclo, Kcb, Ke, Kcmax, fc, few, Deant, Kr, E, DPe e De. Esses arquivos de texto são salvos no diretório especificado pela caixa de texto da aba de Resultados.

Cada dado (campo) do arquivo de resultados é separado por ponto e vírgula. Desta maneira, os dados podem ser transferidos para uma planilha do Excel para elaboração de gráficos e/ou manipulação dos dados.

54

Manipulando dados XML no Excel

1. Modificação do arquivo Culturas.xml

Um banco de dados de culturas e seus respectivos dados (duração dos estádios, Kc inicial, médio e final tabelados, etc) elaborado pela FAO está no mesmo diretório que o programa. Ele está no arquivo Culturas.xml. Caso não exista no banco de dados uma cultura específica ou se queira alterar os dados de duração dos estádios por exemplo, pode-se facilmente editar o arquivo Culturas.xml com o Excel ou outro programa que manipule arquivos XML, e adicionar novos registros ou alterar os já existentes. Aqui, mostraremos um tutorial de como fazer inclusões/alterações utilizando o Excel 2007. •

Abra o Excel



Já no Excel, abra o arquivo Culturas.xml



O Excel poderá perguntar como você deseja abrir esse arquivo. Responda Como uma tabela XML

55



O Excel deverá mostrar o arquivo de forma semelhante a esta:

A primeira linha contém o nome do campo: ID – Código de identificação da cultura Cultura – Nome da Cultura KcIni, KcMed, KcEnd – Kc inicial, médio e final tabelados Lini, Ldev, Lmed, Llate – Duração do 1º, 2º, 3º e 4º estádios h – altura media da planta no fim do ciclo Kcb_ini, Kcb_med, Kcb_end - Kc basal inicial, médio e final tabelados Você pode alterar qualquer valor que necessitar, bastando selecionar a célula e digitar o novo valor.

56

Para criar um novo registro (inserir uma nova cultura), é só inserir todos os dados após a última cultura mostrada pela tabela. Todos os campos devem ser preenchidos, com exceção do campo ID que pode ser deixado em branco.



Após as modificações, clique em salvar



Na janela que se abrirá, escolha a opção Dados XML em tipo de arquivo. O nome do arquivo pode ser o mesmo, mas é aconselhável que se altere o nome do arquivo para sempre se ter uma cópia do arquivo Culturas.xml original.



Clique em Salvar



O Excel exibirá um aviso dizendo que alguns recursos como formatação serão perdidos. Isso é normal. Clique em continuar



A novo arquivo XML foi salvo e você poderá utilizá-lo no SEEVA.

2. Criação do arquivo de dados climatológicos

57

Para se fazer a simulação do Kc, é necessário que se tenha dados climatológicos completos, pois a metodologia utilizada é a FAO Penman-Monteith. Os dados necessários são: Ano Dia Juliano – Dia do ano de 1 a 365 (ou 366 se for ano bissexto) Temperatura máxima, ºC Temperatura mínima, ºC Temperatura média, ºC Umidade Relativa máxima, % Umidade Relativa mínima, % Umidade Relativa média, % Velocidade do vento a 2 m de altura, m s-1 Pressão, mmHg Radiação, MJ m-2 dia-1 Insolação, h Precipitação, mm Altitude da estação climatológica, m Latitude da estação climatológica, º Longitude da estação climatológica, º Deve-se criar uma tabela no Excel com esses campos. Abaixo, uma relação dos nomes dos campos que deve ser obedecida, será mostrada. Deve-se obedecer inclusive a capitalização dos nomes dos campos (obedecer maiúsculas e minúsculas). Descrição do campo

Nome do campo

Ano

ano

Dia Juliano

dia

Temperatura máxima

Tmax

Temperatura mínima

Tmin

Temperatura média

Tmed

Umidade Relativa máxima

URmax

58

Umidade Relativa mínima

URmin

Umidade Relativa média

URmed

Velocidade do vento a 2 m de altura

Vvento2

Pressão

Pressao

Radiação

Ra

Insolação

Insolacao

Precipitação

Precipitacao

Altitude da estação climatológica

altitude

Latitude da estação climatológica

latitude

Longitude da estação climatológica

longitude

Mostraremos um tutorial de como fazer essa tabela no Excel 2007.



Na pasta onde o SEEVA está instalado, existe um arquivo chamado Modelo_dados_climaticos.xlsm . Abra esse arquivo. É uma planilha que contém um macro do Excel que faz a conversão de planilhas para arquivos XML.



A planilha já vem pronta, com todos os campos criados, bastando somente os dados serem inseridos.



Importe os dados de sua estação climatológica de modo que cada dado fique em seu respectivo campo. Geralmente os arquivos oriundos das estações climatológicas são separados por ponto e vírgula, ficando fácil de ser importados pro Excel.



Os campos altitude, latitude e longitude só deve ser preenchido uma única vez, na primeira linha da tabela. As linhas seguintes (inferiores) poderão ficar vazias (em branco).

59

OBS.: Como não existe um padrão de saída de dados de estações climatológicas, seus dados muito provavelmente não se apresentarão dessa forma, com estas unidades. Deve-se obedecer as unidades aqui descritas para cada campo da tabela. Caso seja necessário fazer alguma correção de unidade, conversão de data para dia Juliano, ou algo do gênero, elas devem ser feitas antes e após todos os dados estiverem da forma aqui descrita, pode-se passar para a tabela.



Após a importação dos dados, deve-se preencher 2 células da planilha. A célula R2 e a T2. Preencha a R2 com o nome da tabela (é esse nome que irá aparecer quando o arquivo for carregado no software), por exemplo, Mossoró. Preencha a T2 com o nome do arquivo. O arquivo XML será salvo no mesmo diretório onde está a planilha.



Clique no botão Salvar como XML...



Salve com um nome fácil de identificar o arquivo, como por exemplo, Estacao_Fazenda_Mossoro. Dê preferência em salvar na mesma pasta em que o programa está instalado, pois esse é o diretório padrão que o programa irá procurar.

View more...

Comments

Copyright � 2017 SILO Inc.
SUPPORT SILO